Por Fabiana Ribeiro

enem2Não é fácil para as grandes escolas estarem entre as top 5 do Enem. Pergunte a seus alunos. Eles podem explicar, felizes ou não, como se chega ao pódio. No pain, no gain.

Não vou discorrer aqui sobre as escolas religiosas ou laicas; tradicionais ou construtivistas. Até porque fiz uma escolha e, portanto, impossível ter uma opinião imparcial. Mas do que discordo com veemência é que muitas escolas do topo não conseguem conciliar nota boa com inclusão. E isso é uma falha e tanto na alma desses colégios — muitos deles, aliás, religiosos. Inclusão não pode estar fora do currículo das escolas. Não pode. Não mais. É uma questão de moralidade. E de realidade.

O mesmo cuidado que se tem para explicar ciências ou matemática. A mesma obstinação para gerar concorrência entre as crianças ainda pequenas. O mesmo entusiasmo na hora de contratar professores de excelência. O mesmo engajamento para exaltar os melhores e excluir os fracassados. A mesma fixação por notas, provas, ranking de alunos, deveres de casa. É preciso o mesmo empenho para mostrar às crianças que a escola precisa ser uma réplica do mundo. E isso também deveria se traduzir em um compromisso em se ter – e manter – matrículas de estudantes com dificuldade em aprendizado.

Não há uma explicação plausível que justifique a ausência quase total de crianças com alguma deficiência física ou intelectual naquelas que são consideradas as melhores escolas do país.

Ou será que tem?

Abrir as portas para crianças com autismo, síndrome de down ou deficiência auditiva não é uma decisão trivial para as escolas. Afora todas as adaptações que se fazem necessárias, esses alunos baixam o desempenho no Enem. E ninguém quer ficar atrás no Enem. Então, danem-se as crianças fora do padrão.

Quer saber se a escola é inclusiva? Olhe a turma do seu filho. Veja quantos alunos considerados de inclusão estão ali. Há crianças com síndrome de Down na escola? E crianças com autismo? Algum jovem em cadeira de rodas? Viu aluno com baixa visão ou perda auditiva? Ou o grande projeto inclusão é cuidar dos filhos de executivos americanos? Se não encontrar estudantes com alguma deficiência na sala do seu filho ou mesmo na escola, não tenha dúvidas: você não está numa escola inclusiva.

Pode-se ter os melhores alunos na escola, desfilando seus sucessos no vestibular, jogando na cara que passaram por ali os melhores colocados em medicina entre as universidades públicas. Mas não se tem o primordial: valores. É aquela velha ladainha da diferença entre ser e ter. Infelizmente, essas escolas esquecem de ensinar a seus alunos que a educação não é uma competição. Educação é um direito básico, fundamental, inalienável de todos.

Qualidade de ensino e inclusão não precisam ser incompatíveis. Pode-se colecionar prêmios do Enem e ainda insistir em moralidade. A sociedade agradece.

4 comentários em “Dez no Enem. Zero em inclusão

  1. E existe uma outra classe de escolas… a que, para vender a inclusão, permite a matrícula e a freqüência, mas para garantir o ENEM, desaconselha alunos de inclusão a fazerem a prova! Já ouvi mais de um relato de mãe que teve que encarar esse tipo de “conselho” da escola… e, geralmente, com o argumento: “Olha, ele não está preparado para fazer a prova, se sentiria diminuído com um resultado ruim, melhor não fazer!”
    Aliás, conheço uma escola que faz isso não só com os alunos de inclusão que ela adora mostrar para o público como se fossem peças de marketing, mas também com os alunos que, seja por que motivo for, tiverem baixa produtividade e baixos resultados ao longo da vida acadêmica. Sugerem a eles fazerem um cursinho ANTES de prestar a prova, “para não constranger o seu filho com um resultado baixo”…
    Infelizmente, esse tal do ENEM, que se faz tão necessário, deixou de ser uma forma de avaliação e passou a ser um broche a ser usado por uma escola…

    Curtir

  2. Fabiana Ribeiro,

    Sem palavras para questionar,no entanto inúmeras para elogia-la.
    Exemplo de mulher,mãe,pessoa para sociedade.
    És um modelo a ser seguido,pois sei que todas essas palavras são práticas cotidianas em seu dia à dia.em sua vida.
    Seus filhos são privilegiado em ter você como mãe!!
    Parabéns!
    Que esse trabalho desenvolvido seja um pontapé inicial para trazer os melhores resultados a uma sociedade que luta incessantemente pela igualdade.

    Lindas palavras!
    Sucesso a você,exemplo de:mãe,mulher.

    Fabiola

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s